Os Mais Procurados


FISSURAS LÁBIO - PALATINAS NO BEBÊ

Postado por : Jhenniffer Uliana
Durante o tempo em que eu cliniquei no sistema público, tive a oportunidade de conhecer algumas mães que procuraram atendimento odontológico para seus bebês, que apresentavam fissuras lábio-palatinas. Eu não sei se você já ouviu falar nesse termo, mas certamente já viu crianças ou adultos com uma cicatriz na região do lábio (resultado de uma cirurgia reparadora) e deve ter se perguntado como elas aconteceram. O fato é que as fissuras em lábio e palato (que nada mais é do que o céu da boca) são malformações congênitas, ou seja, o indivíduo já nasce com elas. Durante a fase de vida intra-uterina os ossos da face devem sofrer uma fusão exatamente no meio do rosto do bebê, o que nem sempre acontece (e é aí que as fissuras aparecem). Além da questão estética, as fissuras lábio-palatinas trazem consigo problemas maiores. A amamentação fica dificultada, podem ocorrer problemas respiratórios (decorrentes da comunicação entre boca e nariz que ocorre nas fissuras palatinas) e até de desenvolvimento da fala. Mas a notícia boa é que tudo isso é tratável, e quanto antes o acompanhamento multidisciplinar começar, muito melhor para a mãe e para o bebê.

Até ter contato com os números oficiais e receber na prática bebês com a malformação, eu não imaginava que as fissuras fossem tão frequentes. Para que vocês tenham ideia, elas se situam entre o terceiro e o quarto lugar dentre os defeitos congênitos mais frequentes. No Brasil, estima-se que 1 em cada 650 nascidos vivos apresente o problema (o que bastante!). Mas vocês devem estar se perguntando o que fazer para evitá-las, correto? Ou como proceder quando o bebê apresenta a fissura. É o que eu detalharei a seguir:

A prevenção das fissuras lábio-palatinas

Como as fissuras são de causa genética ou ambiental (no caso, o ambiente é o próprio ventre materno), a prevenção passa por evitar os fatores que as causam. Em famílias onde já houve caso de fissura é importante estar atento para uma nova ocorrência, e testes de aconselhamento genético podem ser feitos. Se for constatado ainda antes do parto que o bebê é fissurado, a mãe deve ser orientada sobre o acompanhamento que o filho terá logo após o nascimento.

O álcool, o fumo, alguns medicamentos, a exposição à radiação e o contato com agentes infecciosos no primeiro trimestre de gestação podem causar as fissuras. Por isso devem ser evitados ao máximo pela grávida. Por outro lado, sabe-se que uma dieta rica em verduras, frutas, legumes, carnes, leite, ovos, vitaminas e minerais reduz a chance do problema acontecer. O ácido fólico prescrito pelo obstetra é fundamental na prevenção da malformação.

Será que meu filho tem fissura?

Essa é uma dúvida comum entre as gestantes, sobretudo aquelas com casos na família. O diagnóstico é feito através do ultrassom morfológico entre a partir da 14a semana de gestação, mas ainda hoje boa parte dos casos é diagnosticada apenas depois do parto.

O tratamento

As fissuras são tratadas por uma equipe multidisciplinar: o médico-pediatra, o cirurgião-dentista, o cirurgião-plástico, o fonoaudiólogo, o psicólogo, o geneticista e eventualmente uma assistente social. O fechamento do lábio através de cirurgia deve ser feito nas primeiras 24 a 72 horas do nascimento (diferente do que ocorria no passado, quando se aguardavam alguns meses), enquanto o do palato deve esperar (normalmente é feito entre um e dois anos, mas apenas a equipe médica pode avaliar o melhor momento para fazê-lo). Enquanto isso não acontece, devem ser tomados cuidados especiais na amamentação e alimentação do bebê.

A amamentação e alimentação do bebê fissurado

Quando possível, a amamentação deve estimulada pela mãe do bebê fissurado (é apenas mito que o bebê com fissura não pode ser amamentado!). Isso porque ela é uma excelente forma de fortalecer a musculatura da face, o vínculo entre a mãe e o filho e de reduzir o risco de infecções (uma vez que através do leite materno o bebê receberá os anticorpos da mãe). Se não houver a possibilidade de colocar o bebê para mamar no peito, o leite da mãe continua sendo o melhor alimento, e deve ser dado com mamadeira (há alguns modelos que favorecem a deglutição do bebê), copinho ou colher. Dessa forma, ele fará menor esforço para se alimentar e tenderá a ganhar mais peso (em geral os bebês fissurados tendem a se alimentar com maior dificuldade, por isso o ganho de peso é uma preocupação constante). No peito, prefira deixar o bebê mamar quase em pé, para que o leite não chegue à cavidade nasal. Pelo mesmo motivo, ao deitar o bebê após a mamada, deixe a cabeceira mais alta do que os pés com o uso de calços nos pés do berço. Caso o bebê engasgue, incline-o de cabeça para baixo para desengasgar.

A região da fissura deve sempre ser limpa após as refeições ou mamadas (para isso é importante que a mãe ou pai estejam com as mãos lavadas). Pode-se usar um cotonete umedecido em água para a realização dessa limpeza.

Dentes, fala e capacidade mental

Os dentes do bebê com fissura podem ou não sofrer alterações, assim como o processo da fala. Em geral quando a fissura ocorre apenas no lábio, o bebê não apresenta alterações nos dentes ou na fonação (ou ela é mínima). Já quando a fissura chega até a gengiva os palato essas alterações acontecem.

Para finalizar, é importante dizer que a capacidade mental do bebê fissurado é a mesma de qualquer outro bebê. Ele não apresenta qualquer tipo de retardo devido à fissura. Por isso, trate-o como qualquer outra criança da mesma idade do ponto cognitivo! Ele só precisa de muito carinho, apoio e acompanhamento dos pais e da equipe de saúde, pois o tratamento levará anos para ser finalizado.

VERRUGAS NA VAGINA

Postado por : Jhenniffer Uliana
As verrugas genitais aparecem com mais frequência nos genitais externos ou próximas ao ânus, em homens e mulheres. Embora menos frequentes, podem aparecer dentro da vagina ou no colo do útero.
São também chamadas de condiloma acuminado, verrugas venéreas, condiloma plano, papilomavírus humano(HPV), ou verrugas por papovavírus.

Causas
As verrugas genitais são causadas por vírus da família dos “vírus do papiloma humano” ou HPV. Há cerca de 70 espécies diferentes de HPV dos quais doze são responsáveis pelo aparecimento das verrugas genitais. As outras espécies de HPV são responsáveis pelas verrugas vulgares das mãos, pés e face, mas não afetam os genitais.

Sintomas
A infecção pelo HPV é com frequência assintomática (não dá sintomas e as pessoas não sabem que estão infectadas).
Quando a infecção se torna sintomática pode manifestar-se pelo aparecimento de verrugas isoladas ou múltiplas, localizadas nos órgãos genitais (vulva, vagina, colo do útero, pénis e testículos) ou na região ao redor do ânus; corrimento, comichão na região genital ou dor local que se agrava durante as relações sexuais.

As verrugas genitais são normalmente firmes, ásperas, e de cor, branco-acinzentada, ou branco-rosada. Aparecem, normalmente, como elevações finas, flexíveis, e sólidas da pele que parecem com pequenos pedaços de couve-flor. Algumas verrugas, porém, são pequenas e chatas e não são facilmente notadas.
Se deixadas sem tratar, as verrugas podem desaparecer sozinhas.
É mais provável, porém, que cresçam e formem maiores agrupamentos de verrugas semelhantes a couve-flor. Pode não surgir nenhum sintoma ou ter irritação leve ocasional, ardor, prurido, dor, cheiro desagradável, dor durante a relação sexual, sensibilidade, secreção vaginal aumentada, ou hemorragia.

Tratamento
É muito importante que ambos os parceiros sexuais recebam tratamento se tiverem verrugas genitais, pois ao tratar apenas um, corre-se o risco de reinfecção daquele que fez o tratamento. As verrugas genitais são espalhadas por contacto direto com a pele infectada.
Os métodos principais de tratamento são:


Remoção cirúrgica das verrugas.
Remoção das verrugas por congelamento (crioterapia).
Vaporização das verrugas com laser.
Queimadura das verrugas (electro cauterização).
Aplicar uma substância química diretamente sobre verrugas externas (não internas). Tratamento químico envolve visitas clínicas ou ambulatoriais uma ou duas vezes por semana durante 6 semanas. Estes tratamentos normalmente causam algum desconforto e são frequentemente pouco eficazes (as verrugas retornam em 70% das vezes). Este tratamento não pode ser usado em mulheres que estejam grávidas ou que suspeitam estar.

A remoção das verrugas não retira o vírus do organismo e, portanto, as verrugas podem retornar.

Prevenção
Para prevenir a expansão de verrugas para outras áreas do corpo ou para outras pessoas:
Mantenha a área genital limpa e seca.
Não friccione ou coce as verrugas.
Evite atividade sexual até que as verrugas sejam completamente curadas.
Use preservativos de látex durante a relação sexual. Os preservativos podem reduzir o risco de contaminação, embora possam estar em áreas não cobertas pelo preservativo.
Lave suas mãos completamente depois de tocar a área com verrugas.
Tag :

COMO SABER SE ESTOU GRAVIDA?

Postado por : Jhenniffer Uliana
Será que estou grávida? Como saber se estou grávida? Quais são os primeiros sintomas de gravidez? Estas são perguntas frequentes que muitas mulheres fazem quando estão a tentar engravidar.

A única maneira de saber com certeza se está grávida é fazendo um teste de gravidez. No entanto existem os primeiros sintomas de gravidez que podem alertar para o fato de que você pode estar grávida e deve fazer o teste para confirmar.

Os sintomas de gravidez variam de mulher para mulher, como também de gravidez para gravidez, e muitas vezes podem ser semelhantes aos sintomas pré-menstruais. Algumas mulheres têm sinais ou sintomas de gravidez numa ou duas semanas após a concepção. Para outras mulheres os sintomas ou sinais de gravidez podem se desenvolver ao longo de algumas semanas/meses ou podem até nunca estar presentes.

Abaixo está uma lista com alguns dos primeiros sintomas de gravidez mais comuns. Se você tem sido sexualmente ativa e apresenta algum dos seguintes sintomas não hesite em fazer um teste de gravidez.

1 >  Atraso na menstruação

Sem dúvida que o sintoma de gravidez mais evidente e aquele que faz com que as mulheres corram para fazer o teste de gravidez é o atraso na menstruação. No entanto, nem todos os atrasos da menstruação são causados pela gravidez. Existem outros fatores que podem influenciar o ciclo menstrual da mulher, como por exemplo, a perda ou ganho excessivo de peso, problemas hormonais, stress ou fadiga. Como também nem todas as mulheres deixam de sangrar quando engravidam. Há mulheres que sangram durante a gravidez. O melhor é perguntar ao seu médico quando é que o sangramento é causa para alarme na gravidez e quando é que é normal.

2 > Náusea e Enjoo matinal

Este sintoma de gravidez bem conhecido torna-se evidente em muitas mulheres entre a 2 a 8 semanas após a concepção. Algumas mulheres têm a sorte de não lidar com enjoos matinais durante a sua gravidez, enquanto outras vão sentir náuseas e enjoos durante grande parte de sua gravidez.

3 > Sono e Cansaço

Sentir-se cansada ou com sono é outro dos sintomas de gravidez que pode ter inicio logo na primeira semana após a concepção. O cansaço excessivo está muitas vezes relacionado com um elevado nível de progesterona no seu sistema.

4 > Alterações nos seios

As alterações nos seios são outros dos primeiros sintomas de gravidez que se faz notar. Após a concepção, o seu corpo passa por uma rápida mudança nos níveis hormonais. Devido a essas mudanças hormonais, na 1-2 semanas você pode notar que seus seios estão mais inchados, doloridos ou com formigamento. Ou pode sentir os seus seios mais pesados ou sensíveis ao toque. A área em volta dos mamilos, chamada a aréola, pode também ficar mais escura.

5 > Urinar frequentemente

Cerca de 6-8 semanas após a concepção muitas mulheres começam a ir mais frequentemente ao banheiro. Às vezes pode ser devido a outras problemas como a diabetes ou uma infecção, mas se você estiver grávida isso é causado pelo aumento dos níveis hormonais.

6 > Dores de cabeça e dores nas costas

Muitas mulheres relatam leves dores de cabeça, e ainda muitas outras experienciam dor crônica nas costas. As dores de cabeça podem estar relacionadas com o aumento rápido de hormonas e leves dores nas costas podem se manifestar durante toda a gravidez.

7 > Vontades e Desejos

Você já deve ter visto este sintoma de gravidez muitas vezes nos filmes, quando uma mulher grávida pede ao seu marido para ir à loja buscar sorvete porque ela está desejando muito. A verdade é que clichê, ou não, este sintoma parece estar presente em muitas mulheres grávidas e pode durar durante toda a gravidez.

8 > Cólicas e sangramentos irregulares

Alguns dias após a concepção, o ovo fertilizado (chamado zigoto) vai-se alojar na parede uterina, o que pode causar um dos primeiros sinais de gravidez, os sangramentos irregulares e cólicas. Muitas mulheres associam este sintoma ao início da menstruação, quando de fato estão já grávidas.

Voltando á questão inicial: Será que estou grávida? Como saber se estou grávida? É importante lembrar que nem todos os sintomas acima podem indicar que você está grávida. Algumas vezes podem ter outras causas. No entanto, se você tiver vários desses sintomas e estiver notando alguma diferença no seu corpo, faça um teste, se este der positivo visite o seu médico para efetuar mais exames e confirmar a sua gravidez. Essa é a única maneira de descobrir se você está realmente grávida.




ENSINANDO A BEBER NO COPO

Postado por : Jhenniffer Uliana
A maioria dos especialistas, tanto em saúde bucal como em pediatria, recomenda que as mães comecem a pensar em eliminar a mamadeira a partir de um ano, mas a transição não é tão simples assim na prática.

Para facilitar, o ideal é já ir apresentando o copo ao bebê quando ele tiver 6 ou 7 meses, para tomar água ou suco, por exemplo. Essa introdução pode ser feita com copinhos de treinamento com tampa. Há crianças que não "captam" muito bem como a coisa funciona. Não tem problema. Espere mais algumas semanas ou até meses e tente de novo. As crianças tendem a querer imitar os adultos ou amiguinhos e irmãos mais velhos. Aproveite o interesse do seu filho, quando ele o demonstrar, para fazer novas tentativas.

Mostre ao bebê que é preciso entornar o copo para o líquido descer. Quando ele entender, você pode dar a ele copos com tampa e duas alças para ele treinar.

Os copinhos com tampa e válvula de segurança são ótimos porque não deixam o líquido cair quando o bebê vira o copo de cabeça para baixo, mas, por outro lado, dificultam bastante o trabalho da criança, porque ela tem que sugar para o líquido sair. No começo, experimente tirar a válvula para que o líquido saia mais fácil, ou prefira um copo sem válvula.

Há pais que preferem ensinar seus filhos pequenos direto num copo normal, e dispensam totalmente os copinhos de treinamento.

Outra opção é usar copos com canudo. Bebês podem aprender a chupar pelo canudinho bem cedo, antes de completar 1 ano. Vale fazer tentativas ocasionais. Deixe bem claro para a criança que, no caso do canudo, o copo não deve ser entornado para que o líquido saia.

Se seu filho tem o costume de mamar para adormecer, você pode começar a pensar em usar uma mamadeira só com água para esse fim, para que o leite não fique acumulado na boca durante a noite toda, coisa que pode fazer mal para os dentes. Se você fizer a troca de uma vez, há grandes chances de a criança ficar muito brava na hora em que receber água em lugar de leite.

Dê o leite primeiro, limpe a boca da criança com gaze ou escova de dentes e, quando ela estiver de barriga cheia, ofereça o "tetê" ou "mamá" especial de dormir -- com água. Se nada disso der certo, não se esqueça de passar gaze ou fralda na gengiva depois de seu filho ter adormecido com a mamadeira de leite na boca.

Leia abaixo algumas dicas de leitores para ajudar com o uso do copo:
- Deixe a mamadeira apenas para o leite puro, e estabeleça para o seu filho a regra de que todos os outros tipos de líquido (suco, água, chá, leite com sabor) têm de ser tomados no copo.

- Experimente garrafinhas esportivas. Existem até versões de alumínio que mantêm os líquidos sempre frescos.

- Faça experiências com vários tipos e marcas de copos, até achar aquele de que seu filho mais gosta. Vale até levá-lo ao supermercado ou à loja para escolher um -- talvez ele fique mais entusiasmado.

- Molhe o bico do copo com o líquido para que a criança sinta o gosto e perceba que ele está ali.

- Use o copinho na frente do seu filho para dar o exemplo, e incentive-o a copiá-la.

- Se seu filho está relutando em usar o copinho de treinamento, procure um que tenha o bico mais macio. Quando ele se acostumar a esse, você pode passar para os tradicionais.

GRAVIDEZ FAZ A CELULITE PIORAR?

Postado por : Jhenniffer Uliana
A celulite nada mais é do que acúmulo de uma espécie de gordura, e parece estar ligada à produção de hormônios femininos, portanto, tende sim a ser um problema maior depois da puberdade e durante a gravidez. Na gestação, além de uma maior circulação hormonal no corpo, há ainda o ganho de peso natural da mulher.

Infelizmente, não há provas científicas de que haja tratamento definitivo para se livrar das celulites, ao contrário do que prometem muitos cremes cosméticos e técnicas de massagem. O que os especialistas recomendam para atenuá-las é praticar exercícios e tonificar os músculos, tudo na medida do que for seguro para uma gestante fazer.

Depois que o bebê nascer, você poderá então intensificar a rotina de atividades físicas e até fazer dieta moderada para emagrecer, o que contribuirá mais para melhorar aquele aspecto de casca de laranja da pele que tanto incomoda. Se amamentar seu filho, melhor ainda, porque a volta do corpo será mais rápida e a perda de peso, mais consistente.

Agora, se celulite for um daqueles assuntos que realmente chateiam você, procure um dermatologista após o parto para discutir os possíveis benefícios de tratamentos com laser, sem esquecer de perguntar se não é prejudicial para quem está amamentando.
Tag :

DIABETE GESTACIONAL

Postado por : Jhenniffer Uliana
O que é a diabete gestacional?
A diabete gestacional é um problema que surge durante a gravidez. A mulher fica com uma quantidade maior que o normal de açúcar no sangue. É uma condição que quase sempre se normaliza sozinha depois que o bebê nasce -- ao contrário de outros tipos de diabete, que duram a vida inteira.

A diabete aparece quando o corpo não consegue fabricar a insulina -- um hormônio produzido pelo pâncreas -- em quantidade suficiente. A insulina controla a quantidade de açúcar disponível no sangue, para ser usado como fonte de energia, e permite que o excesso de açúcar seja armazenado.

Seu corpo precisa produzir insulina extra para atender às necessidades do bebê -- principalmente da metade da gravidez em diante. Se seu corpo não conseguir fazer isso, você pode ficar com diabete gestacional. Seu nível de açúcar no sangue também pode subir devido às mudanças hormonais da gravidez, que interferem na ação da insulina.

Nas primeiras consultas do pré-natal, você será submetida a um exame de sangue, e nele será feita a medição da glicemia de jejum. Se o médico considerar o resultado alterado, pode pedir um novo exame, o teste de tolerância à glicose -- em que você tem de tomar um líquido doce e uma hora depois colher sangue para dosar a glicemia. No caso de o primeiro resultado ser normal, mas o obstetra considerar que seu risco de ter diabete gestacional é mais elevado, ele pode pedir um novo exame de glicemia de jejum na segunda metade da gravidez.

Como a diabete afeta a gravidez?

O lado positivo do tratamento da diabete é que você tem como influenciá-lo para o bem. Com orientação médica, você conseguirá controlar a diabete durante toda a gestação.

O principal problema do excesso de açúcar no sangue é que ele atravessa a placenta e chega ao bebê, o que pode fazer com que ele cresça demais. Um bebê muito grande pode dificultar o parto, e aumenta a probabilidade de você precisar de uma cesariana. O bebê também fica mais propenso a ter icterícia e hipoglicemia após o parto, e a apresentar problemas respiratórios. O volume de líquido amniótico também pode aumentar demais.

Há pesquisadores que acreditam que bebês grandes demais têm maior probabilidade de sofrer de obesidade mais tarde. Quando adultos, também têm mais propensão à própria diabete.

Quando a mulher já era diabética antes da gravidez, há um risco maior de o bebê apresentar problemas de saúde -- especialmente se a diabete pré-gestacional não estava sendo controlada. Pode acontecer de a mulher só descobrir que é diabética nos exames do pré-natal. Esse é um dos motivos para a recomendação de as mulheres se submeterem a novo exame de glicemia de jejum cerca de um mês e meio depois do parto.

Quem corre mais risco de ter diabete gestacional?

Mulheres que já tiveram diabete gestacional antes, ou que já tiveram bebês considerados grandes, correm um risco maior de ter diabete gestacional. Também elevam o risco:

• Obesidade (IMC acima de 30) - Calcule aqui o seu.

• A idade: a tendência para a diabete aumenta naturalmente com a idade; quanto mais nova a mulher, menor a chance de ter diabete gestacional

• A existência de um parente de primeiro grau diabético, dependente de insulina

Como vou saber se tenho diabete gestacional?

Você dificilmente saberá, a não ser que o problema seja detectado pelos exames do pré-natal. Por isso os exames são tão vitais. Algumas mulheres sentem sede anormal ou cansaço extremo, sintomas clássicos da diabete.

Como se trata a diabete gestacional?

Seu obstetra ou um endocrinologista vão orientá-la sobre como controlar a taxa de açúcar no sangue, reduzindo o consumo de alimentos doces e bebidas com cafeína. Você receberá conselhos sobre como se alimentar -- o melhor é fazer refeições pequenas e frequentes, em vez de comer muito de uma vez só.

Para algumas mulheres, se a diabete gestacional for considerada grave e não responder apenas ao controle pela alimentação e pelas atividades físicas, os médicos podem prescrever injeções de insulina. Você poderá aplicar a injeção sozinha -- a agulha é bem pequena. De qualquer maneira, precisando ou não de insulina, você terá um acompanhamento mais frequente da gestação, com a realização de mais ultra-sons para verificar o crescimento do bebê e o volume de líquido amniótico.

Ouvi dizer que fazer exercícios é bom para a diabete gestacional. É verdade?

Sim. É importante fazer atividade física, e seu médico deve conversar com você sobre como incluir exercícios no seu dia-a-dia. Consulte nosso guia de atividade física na gravidez para obter idéias de exercícios que a agradem. As pesquisas mostram que a atividade física ajuda a manter os níveis de açúcar no sangue sob controle, e há também indicações concretas de que a prática regular de exercício antes da gravidez ajuda a prevenir a diabete gestacional.

Vou continuar tendo diabete depois que o bebê nascer
?
Você deve ser submetida a um novo exame de glicemia de jejum (ou teste de tolerância à glicose, dependendo do caso) a partir de um mês e meio após o parto, e é muito provável que sua taxa de açúcar no sangue tenha voltado ao normal. Apesar disso, mulheres que tiveram diabete gestacional são mais propensas a ter diabete mais tarde, por isso o exame de glicemia de jejum deverá fazer parte da sua rotina anual de exames. Mulheres que já eram obesas antes da gravidez têm mais risco de continuar diabéticas depois do parto.

E quem já era diabética antes de engravidar?

A gravidez terá que ser acompanhada de perto no caso de diabete preexistente. Se os níveis glicêmicos estiverem controlados, porém, diminuem as chances de haver problemas com o bebê.

Tag :

INSERÇÃO VELAMENTOSA

Postado por : Jhenniffer Uliana
O que é

A inserção velamentosa é uma problema na ligação do cordão umbilical, que alimenta o bebê, à placenta, reduzindo a nutrição do bebê durante a gravidez, podendo causar sequelas como restrição de crescimento no bebê, sendo necessário maior vigilância através de ultrassonografias para acompanhar o seu desenvolvimento.

Neste caso, o cordão umbilical se implanta nas membranas e os vasos umbilicais percorrem trajeto de extensão variável antes de se inserirem no disco placentário, como é normalmente. A consequência disso será diminuição da circulação para o feto.

A inserção velamentosa tem significado clínico: é mais relacionada a diabetes materno, tabagismo, idade materna avançada, malformações congênitas, restrição do crescimento fetal e natimortalidade.

A inserção velamentosa pode ser considerada uma urgência obstétrica se os vasos sanguíneos forem torcidos ou as membranas se romperem, causando grandes hemorragias, especialmente no final da gestação. Nesses casos mais graves, deve-se realizar uma cesárea o mais rápido possível, pois o bebê corre risco de vida.

Diagnóstico da inserção velamentosa

O diagnóstico da inserção velamentosa é feito através de ultrassonografia no período pré-natal, geralmente a partir do segundo trimestre.

Tratamento para inserção velamentosa

O tratamento para inserção velamentosa depende do crescimento do bebê e da presença ou não de sangramentos.

Se não há grandes hemorragias, é sinal de que a gravidez tem boas probabilidades de chegar ao fim com sucesso através de uma cesárea. Nesses casos, basta apenas um acompanhamento médico mais cuidadoso através de ultrassonografias periódicas no terceiro trimestre para verificar se o bebê está crescendo e se alimentando de forma adequada e satisfatória.

No entanto, nos casos de gravidez de gêmeos e de placenta prévia, há uma maior possibilidade de haver complicações. Podem ocorrer hemorragias intensas principalmente no final da gestação devido à rotura das membranas, sendo indicada a retirada imediata do bebê através de uma cesárea de urgência.
Tag :

GRAVIDEZ PSICOLÓGICA

Postado por : Jhenniffer Uliana
A gravidez psicológica, cientificamente chamada de pseudociese, é um transtorno psicológico que afeta tanto mulheres quanto animais, especialmente as cadelas. Ela geralmente afeta as mulheres que desejam muito engravidar e não conseguem ou aquelas que possuem um grande medo de engravidar.

Sintomas da gravidez psicológica

Na gravidez psicológica a mulher apresenta os mesmos sintomas de uma gravidez normal, tais como:

  • Enjoos matinais
  • Desejos alimentares
  • Ausência da menstruação
  • Crescimento da barriga e das mamas
  • Pode haver produção de leite materno
  • Contudo, não há nenhum bebê dentro do útero.

Os sintomas da gravidez psicológica podem ser explicados pelo estímulo psicológico do hipotálamo e da hipófise que, por sua vez, geram um aumento de prolactina no sistema endócrino, culminando nos sintomas de uma gravidez verdadeira.

Exames na gravidez psicológica

O exame de sangue Beta HCG e os testes de gravidez das farmácias também não conferem resultados positivos numa gravidez psicológica, assim como o ultrassom realizado pelo médico. Entretanto, isto não é suficiente para convencer a mulher, pois seu corpo "comprova" que ela realmente está grávida, tratando-se de um problema psicológico que merece um tratamento adequado.

Causas da gravidez psicológica

Algumas possíveis causas de uma gravidez psicológica são o desejo iminente de engravidar ou grande temor de engravidar associado a:

  • Desequilíbrio emocional
  • Rivalidade
  • Baixa auto-estima
  • Aborto recente
  • Infertilidade
  • Transtorno de personalidade
  • Depressão

As mulheres mais propensas a desenvolver a gravidez psicológica são as casadas, com problemas conjugais e as que passaram por experiências amorosas mal sucedidas, envolvendo abandono, separação e gravidez.

Tratamento para gravidez psicológica

O tratamento para gravidez psicológica pode ser feito com o uso de medicamentos hormonais para regularizar a menstruação e para parar a produção de leite materno, mas, além disso, é fundamental o acompanhamento de um psicólogo ou psiquiatra.

O tratamento pode demorar meses e o mais importante é que a mulher saiba que ela não precisa de ter um bebê para ser amada. O apoio de amigos e familiares é essencial.

 Ginecologista: Dra. Sheila Sedicias 

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

Postado por : Jhenniffer Uliana
As Doenças Sexualmente Transmissíveis ou Doenças Venéreas (venéreo= relativo a Vênus - deusa da formosura) são enfermidades de contágio sexual que afligem a humanidade desde épocas remotas. Algumas delas como a Sífilis e a Gonorréia foram totalmente dominadas com o advento da penicilina. Outras como a AIDS e o HPV ainda não possuem tratamento específico e continuam fazendo as suas vítimas.

1 - Gonorréia
Gonorréia ou Blenorragia é uma DST que ataca homens e mulheres causando desde um simples e incômodo corrimento uretral ou vaginal, até infecções mais graves como pelve-peritonite na mulher e prostatite no homem. É causada por uma bactéria de nome Neisséria gonorrhoeae a qual penetra na uretra do homem durante o ato sexual quando a vagina estiver contaminada por ela ou é depositada na vagina quando o ejaculado a contiver.

No homem a uretrite gonocócica é geralmente violenta e de rápida manifestação exigindo uma imediata intervenção médica, visto que o incômodo corrimento e a ardência urinária não permitem a ele simplesmente aguardar a cura. Muitos homens tratam a sua uretrite blenorrágica através de um visita ao amigo farmacêutico. Melhora de imediato, mas após alguns dias observam um corrimento leitoso ou levemente esbranquiçado.

Julgam que a DST ainda está em processo de cura. Na verdade, provavelmente, possui um segundo agente causador de corrimento uretral a Chlamydia; Na mulher, no entanto, os sintomas poderão ser leves ou inexistentes, deixando ela, em vista disso, de ser tratada por falta de sintomatologia. Ocorre, como conseqüência, o fenômeno do "ping-pongue" que se caracteriza pelo fato do companheiro tratar o problema adequadamente, mas ao reiniciar a atividade sexual com a companheira, ela o contaminará novamente.

Assim poderá continuar por muito tempo, principalmente se os dois não procurarem tratamento conjunto.
A complicação mais temível na mulher causada pelo blenorragia é a infecção peritoneal ou pelve-peritonite, enfermidade grave que a levará ao hospital e que poderá complicar com abcesso local e posteriormente com infertilidade devido a obstrução das trompas.

2 - Sífilis
A Sífilis é uma DST causada por uma bactéria espiralada de nome Treponema pallidum. Na infecção inicial ocorre lesão ulcerosa de bordos duros (cancro duro) localizada nas mucosas ou na pele sendo denominada de Sífilis Primária. As localizações mais freqüentes são:

  • Mucosas
  • Pequenos lábios;
  • Vagina;
  • Cérvix uterina;
  • Glande;
  • Mucosa anal.
  • Orofaringe e lábios
  • Língua;
  • Pele
  • Períneo;
  • Região peri-anal;
  • Prepúcio;
  • Saco escrotal


A Sífilis Primária, uma vez diagnosticada, é de fácil tratamento e rápida cura. Ocorre que as pessoas menos esclarecidas, ao encontrarem uma  lesão  inicial  que  possui bordos endurecidos e uma área central de necrose, julgam que a ferida tenha sido causada por um "corte com um fio de cabelo" durante a relação sexual. Não procuram auxílio e ao verificarem que a lesão aos poucos vai regredindo, se sentem em processo de cura.

Mas é dessa fase em diante que a enfermidade irá mostrar toda a sua morbidez. O treponema que, na lesão inicial estava bloqueado na área de bordos endurecidos, agora invade a corrente circulatória, se reproduz e se dissemina na pele formando erupções de aspecto bizarro e cor rósea denominado de sifílides. Essas erupções da pele possuem espiroquetas em abundância sendo altamente contagiantes. Nessa circunstância o indivíduo torna-se um contaminante em grande potencial. É a Sífilis Secundária-Sífilis Dermatológica.

Se nada for diagnosticado, a bactéria manterá o seu ritmo de invasão no organismo humano podendo atingir um órgão importante como o fígado ou a aorta: é a Sífilis Terciária. No final, após longo período de doença, o enfermo passa a ter o seu Sistema Nervoso Central invadido pela espiroqueta. É a Sífilis Tardia ou Neuro Sífilis. Nessa fase o indivíduo sofrerá um processo de destruição e degeneração dos seus neurônios encaminhando-se à demência e a morte.

3 - Tricomoníase
Tricomoníase é uma DST causada por um micro-organismo protozoário de nome Trichomonas vaginalis. A infestação por tricômonas causa, na mulher, violenta reação vaginal com intenso corrimento fétido e mal estar local. O homem infestado poderá permanecer assintomático ou poderá sentir um leve corrimento esbranquiçado somente observável pela manhã antes de urinar. Como a maioria dos homens ao sentir algo se afasta dos recursos médicos o processo não melhora como também não piora. Nessa fase ele se torna um portador assintomático e passa a fazer o jogo de "ping-pongue" com a sua companheira, pois ela vai ao ginecologista, recebe o tratamento par ele e para ela, se cura, mas como ele se nega a tomar porque nada sente, ao reiniciar a atividade sexual se recontamina e tudo começa novamente.

4 - Chlamydia
A Chlamydia trachomatis é uma bactéria de difícil diagnóstico. Causa infecções na mulher e no homem, leves, moderadas ou graves, podendo levar à esterilidade por obstrução das trompas. É uma das causas muito freqüentes de pelve peritonite. Aloja-se normalmente na porção interna do colo uterino e no uretra masculina. Por essa razão não é facilmente detectável, sendo por esse motivo, despercebida nos exames ginecológicos de rotina.

Os primeiros sintomas são leves e inconstantes. Poderão estar relacionados com dor abdominal no baixo ventre, em forma de cólicas, nos dias que antecedem e durante a menstruação.
Isso leva a mulher a visitar o médico repetidas vezes até encontrar fazer exame específico para ela quando então será feito o diagnóstico.

Quando a bactéria invade o organismo feminino atingindo o peritôneo, causa um quadro infeccioso grave que levará a mulher ao hospital, talvez à cirurgia. Um das consequências mais indesejáveis da infecção por Chlamydia é a infertilidade. No homem ela se aloja na uretra, causando uretrite leve, cujo sintomas mais importante é a umidade ou pequena secreção pela manhã, ao comprimir a uretra antes de urinar.

5 - Cancro Mole
O Cancro Mole é uma DST causada por um bactéria - o Bacilo de Ducrey ou Hemophilus ducreyi. É denominada assim pelo simples fato da sua lesão inicial possuir bordos macios em contraposição à sífilis cuja lesão primária possui bordos duros e, por isso é chamada de cancro duro. As lesões ocorrem principalmente nos pequenos lábios e, no homem, no sulco bálano-prepucial (dobra entre a pele do prepúcio e a glande). As lesões podem causar inchume dos gânglios linfáticos inguinais causando "ínguas" muito dolorosas, às vezes, abcessos que devem ser drenados cirurgicamente.


6 - Linfogranuloma
O Linfogranuloma é uma DST causada por um vírus filtrável. As lesões se instalam no períneo ao redor da vulva e pênis atingindo a região anal. A pele fica macerada sendo destruída pela infecção necessitando cuidados especiais locais e antibióticos devido a infecção secundária que se instala nas lesões destrutivas virais.

7 - Pediculose
A Pediculose é uma DST causada por um parasita o Phthirius pubis também conhecido como "chato". Caracteriza-se pela presença do ácaro nos pelos pubianos o que causa intenso prurido local devido às lesões da pele junto ao local de sucção do parasita. É um parasitose dos pelos pubianos. A simples aplicação de inseticida local e da depilação eliminam a infestação pelo ácaro rapidamente.


8 - Escabiose
A Escabiose é uma DST causada por um parasita o Sarcoptes scabiei também conhecido como "sarna". Caracteriza-se pela presença do ácaro na pele principalmente do abdômen onde se podem observar aranhões transversais causados pelo seu portador no afã de livrar-se do intenso prurido na pele, principalmente ao deitar e ao aquecer o corpo. Esse prurido é causada pela deposição da fêmea de seus ovos nas primeiras camadas da derme (pele). O tratamento é simples com drogas locais e eliminação de outros vetores que poderão retransmitir a doença.


9 - Herpes genitais
O Herpes genitais é uma DST causada por um vírus o Herpes simples genitais. Deve ser diferenciado e não pode ser confundido com as lesões semelhantes que ocorrem nos lábios durante os processos infecciosos e febris devido a baixa da imunidade do organismo. Nesse caso se trata de Herpes simples labiais que não é considerado uma DST. O Herpes genitais causa lesões da pele do períneo, grandes lábios, face externa dos pequenos lábios, região peri-anal, glande, prepúcio, saco escrotal e nádegas. São lesões muito pequenas, semelhantes a pequenas bolhas que, posteriormente se rompem tornando-se extremamente dolorosas e incômodas. O casal portador de lesões herpéticas necessita tratamento conjunto, mesmo que um deles nada tenha ou nada sinta. Deverão usar camisinha até o médico liberá-los para a atividade sexual livre.


10 - Condiloma
A Condilomatosa ou Verruga genital é uma DST causada por determinadas cepas de vírus denominado HPV. Causa lesões na região uro-genital tanto na mulher como no homem, semelhantes à verrugas e que causam poucos ou nenhum sintomas exceto pelo fato da sua presença em locais muito sensíveis.


11 - Human Papova Vírus - HPV
O HPV é um vírus de transmissão sexual, tendo sido, nos últimos anos, responsabilizado pelo desenvolvimento de malignidade nas áreas que infecta comumente. Essas áreas vão desde o períneo, vulva, vagina, colo do útero, região anal na mulher e períneo, uretra, pênis, saco escrotal, região anal no homem. Além da infecção dessas áreas, muita investigação está sendo levada à cabo com relação à possível causa de malignidade na oro-faringe e nas cordas vocais. O HPV é de instalação insidiosa não causando nenhum sintoma de maior envergadura tanto no homem como na mulher. Nela, a descoberta da doença só será realizada se houver um exame ginecológico e com atenção especial dirigida ao HPV. Uma das maneiras mais fáceis de diagnosticar HPV é através do exame preventivo de Papanicolau. Veja alguns detalhes a mais em Exame Ginecológico.


12 - AIDS
AIDS ou Acquired Imuno Deficiency Sindrome ou Síndrome de Imuno Deficiência Adquirida cuja sigla em português é SIDA é uma DST que surgiu no final da década de 70 na África e rapidamente se espalhou por todo o mundo. Os primeiros casos foram diagnosticados nos Estados Unidos através do controle do CDC (Centro de Controle de Doenças) que investigou a ocorrência de muitos casos de Sarcoma de Kaposi, enfermidade maligna rara, mas muito comum nos pacientes terminais de AIDS. É causada por um vírus o

HIV - Human Immunodeficiency Virus cujo RNA se incorpora ao DNA do hospedeiro causando a destruição dos leucócitos produtores de anticorpos ficando o hospedeiro, dessa forma, incapaz de se proteger da invasão de outros tipos de parasitas, fungos e bactérias. Como conseqüência, contrai infecções terrivelmente graves sendo os mais modernos antibióticos e quimioterápicos incapazes de combater. Na verdade o que mata o hospedeiro do HIV não é o vírus HIV e sim os microrganismos chamados oportunistas que se valem da incapacidade dos órgãos linfoides produtores de anticorpos de produzir esses anticorpos para combatê-los e, dessa maneira, conseguem invadir dramaticamente o organismo.

  • Formas de Transmissão:
  • Atividade Sexual;
  • Injeções intra-venosas;
  • Transfusão de sangue;
  • Gravidez.
  • Ocupacional.

1 - Atividade Sexual:
Como o HIV, agente transmissor da AIDS, existe livremente no sangue, esperma, secreção vaginal e leite materno em quantidades suficientes para causar infeção é através da relação sexual e da gravidez que as contaminações podem ocorrer se não for usado preservativo (camisinha). O coito anal, seja homo ou heterossexual, é a forma mais perigosa de contaminação visto que o HIV é depositado com o esperma na mucosa retal a qual possui um poder de absorção muito grande permitindo a entrada do vírus livremente.

Já a atividade sexual vaginal vai encontrar os defensivos naturais da vagina que poderão impedir um infecção dessa forma. A atividade sexual, portanto, oferece sempre riscos de contaminação se não forem tomada a medida preventiva necessária, ou seja, o uso de condão ou camisinha. O sexo oral, no entanto, oferece riscos mínimos de contaminação.

2 - Injeções intra-venosas:
O uso de drogas injetáveis é uma das maiores causas de transmissão do HIV. Ocorre quando um indivíduo contaminado pelo vírus da AIDS, compartilha com amigos a mesma seringa para injetarem drogas intra-venosamente. Ao passar pelo braço do enfermo, micro gotículas de sangue permanecem na agulha e às vezes até penetram na seringa. Essas gotículas de sangue com grande quantidade de vírus são então reinjetados na outra pessoa, colega de infortúnio.

3 - Transfusões de Sangue:
Uma maneira muito penosa de adquirir o vírus da AIDS é através de transfusão de sangue ou de seus derivados. Essas pessoas que se contaminaram com o HIV possuíam hábitos salutares de vida, mas por uma razão ou outra, seja um acidente, cirurgia, parto ou qualquer outro evento médico que exija uma transfusão de sangue, como a hemofilia, ocorria a contaminação do indivíduo através do sangue de doadores contaminados. Felizmente, nos dias de hoje, esse tipo de contaminação quase atingiu o ZERO. Muitos países em desenvolvimento ainda não conseguem deter a tecnologia para o diagnóstico dos doadores e esses tipo de contaminação ainda ocorre.

4 - Gravidez:
A mãe poderá transmitir ao seu filho intra-uterinamente o vírus HIV. Isso ocorre porque o HIV consegue passar pela placenta, atingindo, dessa forma, a circulação sanguínea do feto e, como conseqüência, contaminando-o.

5 - Ocupacional:
Os profissionais da área médica como enfermeiras, médicos, funcionários de hospitais e laboratórios poderão, em certas condições, ter contato direto com material infectado oriundo de paciente portador de HIV. Uma enfermeira que minutos após injetar medicação num enfermo com HIV, acidentalmente poderá ferir o seu dedo ao tentar descartar uma seringa e sua agulha. Esse ferimento poderá contaminá-la com o vírus da AIDS. Da mesma forma o cirurgião e toda a sua equipe poderá sofrer o mesmo tipo de acidente.
Tag :

PERGUNTAS SOBRE DST

Postado por : Jhenniffer Uliana
DST

1) É fácil pegar uma doença venérea?
Muito fácil por sinal, a não ser que você se proteja usando um condão ou camisinha . As doenças sexualmente transmissíveis - DST, poderão ser melhor apreciadas acionando a seguinte conexão: DST.

2) O que é Chlamydia?
A Chlamydia trachomatis é uma bactéria que causa uma DST muito séria, às vezes grave, exigindo até hospitalização. Veja maiores detalhes em DST.

3) O que é pelve-peritonite?
Pelve-peritonite é uma infecção grave, algumas vezes causada por uma DST que se caracteriza por causar uma reação muito intensa no peritônio (peritonite) exigindo tratamento intenso em ambiente hospitalar, às vezes levando à cirurgia. É uma situação muito séria por que poderá tornar a mulher infértil se não for imediatamente tratada.

4) O que são verrugas genitais e como elas se parecem?
Verrugas genitais são infecções causadas por vírus e ocorrem tanto no pênis como na vulva e vagina. Seu aspecto é de uma verruga comum, mas menor. Nessecitam atenção especial, visto que poderão desenvolver malignidade em certas circunstâncias. São os condilomas com características benignas e localização externa e o HPV cujo potencial poderá ser mais agressivo.

5) Já fui casada e tive muitos namorados. É verdade que as minhas chances de câncer do colo são maiores?
Estatisticamente sim, pois tendo muitos parceiros, as chances de adquirir HPV são maiores e, como conseqüência, as de desenvolver um câncer de cérvix uterina também são maiores. por essa razão não deixe de colher o seu Papanicolau anualmente.

PERGUNTAS DIVERSAS

Postado por : Jhenniffer Uliana
1) Há duas semanas passei a viver com meu namorado. Desde então tive várias cistites. Apesar de tomar antibióticos, passados alguns dias, os sintomas se reiniciam. O que posso fazer?
A cistite é uma inflamação da mucosa da bexiga. No seu caso, provavelmente, teve início por relações muito repetidas (mais de 1 ou 2 por dia) o que causou um traumatismo mecânico na mucosa com micro-hemorragia (sangramento microscópico) e conseqüente infecção. Se você fizer um tratamento e ao mesmo tempo um repouso sexual, por certo isso não vai se repetir. No entanto, é aconselhável verificar se a secreção vaginal não contém nenhum tipo de bactéria que poderia ser a causa.

2) Por que a necessidade de fazer um exame anual e coletar o preventivo?
Não há melhor tratamento para qualquer enfermidade do que a sua prevenção. Se você é uma pessoa saudável poderá nunca necessitar um tratamento, mas muitas pessoas ficam enfermas e, para isso, é importante prevenir. Assim como os seus pais fizeram com as suas vacinas, você deverá fazer com a sua saúde, visitando o seu ginecologista uma vez por ano.

3) Estamos usando camisinha há dois meses, mas vou iniciar o uso de pílulas. Deveria pedir ao meu namorado que faça o teste de AIDS antes de suspender a camisinha?
Bem isso é um assunto particular de vocês dois, mas muitos casais fazem esse teste antes de iniciarem um relacionamento, visto que, com isso, abrem as portas da sua vida anterior.

4) Com que idade eu poderei iniciar a minha atividade sexual?
A maturidade individual é quem determina o início da atividade sexual de uma pessoa desde que, obviamente, ela esteja engajada num relacionamento amoroso onde você saberá se ele deverá merecer a sua atenção ou não.

5) Muitas pessoas falam sobre hormônios, mas o que são hormônios?
Os hormônios são substâncias produzidas por certas glândulas do nosso corpo como os ovários, os testículos e a hipófise. Essas substâncias exercem funções no nosso organismo necessárias aos nossos desempenhos normais. Uma dessas funções é a ovulação comandada pelos hormônios produzidos pelos ovários.

6) O que é osteoporose que tanto se houve falar?
Realmente desde os meados da década de 90 tem-se ouvido falar e fala-se muito em osteoporose. É um enfermidade crônica e insidiosa. Pode ser causada por doenças da paratireoide, enfermidade renal, uso de cortisona e, a mais freqüente causa, a deficiência hormonal causada pela menopausa. Para ser sucinto e claro, osteoporose ocorre quando a remoção do cálcio dos ossos é maior do que a reposição.

7) Ouço muito falar em auto-exame das mamas. O que devo procurar e quando devo fazer?
O mais importante de tudo é que você faça. Como leiga você não deve se preocupar em procurar alguma coisa e sim apreender a consistência e o formato das suas mamas. Fazendo isso mensalmente, após a menstruação, você notará diferenças quando elas ocorrerem.

8) Meu marido se prontificou a fazer vasectomia. Quais os riscos?
A vasectomia é um dos melhores métodos para controle definitivo da natalidade, mas deve ser considerado um método irreversível e realizado somente com essa conscientização. A grande dúvida é sempre a mesma: ele poderá causar impotência? Não, desde que realizado no momento oportuno, sem pressões e com bom aconselhamento conjunto do casal, tanto pelo ginecologista, quanto pelo urologista.

9) Ouvi falar num DIU com hormônio. Você poderia me explicar a respeito?
O DIU que contém hormônio é denominado de endoceptivo. Além do efeito normal do dispositivo há, ainda, o efeito anticoncepcional do hormônio armazenado no seu bojo, o qual é liberado gradativamente e diariamente ao longo de 5 anos. Uma quantidade muito pequena desse hormônio irá aumentar a sua eficácia.

10) Fiz o exame de ultrassom transvaginal e o meu médico suspeitou de endometriose.Como tratamento preliminar me receitou pílulas por três meses para ver se os cistos diminuem. Só que que tenho tido sangramento leve e escuro. Gostaria de saber se foi porque esqueci de tomar a pílula um dia, ou se pode ser por outro motivo?
A endometriose é uma enfermidade insidiosa que necessita vários meses de tratamento e às vezes, cirurgia. Quando menos sangramento houver, melhor e mais rápida a cura. Comunique ao seu médico sobre o sangramento.

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES SOBRE GRAVIDEZ

Postado por : Jhenniffer Uliana
Gravidez

1) Eu posso engravidar tendo relação durante a minha menstruação?
Não. Durante a menstruação você não pode engravidar por dois motivos:

O óvulo já foi destruído;
O útero não está receptivo porque está sangrando.

2) Não sei se já tive Rubéola. Como proceder.
Seria muito bom se você pudesse informar o seu médico a respeito. Investigue com sua mãe para saber se já está imune à doença ou não. Caso não estiver imune faça a vacina, mas lembre-se: você não poderá engravidar até 3 meses após a vacinação. A Rubéola é uma doença exantemática benigna, mas que, quando adquirida durante os primeiros 3 meses da gravidez, poderá causar defeitos congênitas graves.

3) Quanto tempo levará, após o parto, para eu entrar nas minhas formas anteriores à gravidez?
Para você entrar nas formas anteriores à sua gestação, o segredo fundamental e muito importante é não ganhar mais do que dez (10) quilos nos nove meses. Todo o peso acima disso lhe causará um transtorno estético muito grande e uma dificuldade ainda maior para retornar à sua silueta anterior.

4) Após o meu primeiro parto qual o método ideal para evitar a gravidez?
Qualquer método é válido desde que você se adapte a ele. Você poderá usar pílulas ou pensar num dispositivo intra-uterino. Seu médico irá lhe ajudar a decidir qual o melhor método. Dependerá do tempo que você quiser esperar até a seguinte gravidez.
Tag :

PERGUNTAS FREGUENTES DE CÓLICAS E CORRIMENTO

Postado por : Jhenniffer Uliana
Cólicas

1)Eu ganho muitas cólicas quando tenho minha menstruação. O que posso fazer?
Algumas meninas têm cólicas menstruais desde as primeiras menstruações. Nos primeiros anos essas cólicas poderão ser beneficiadas com analgésicos comuns, calor, e exercícios físico (ginástica na escola) e muito esporte. Se no entanto elas forem severas e/ou piorarem com o decorrer do tempo, o seu médico saberá lhe dizer se o uso de pílulas lhe beneficiará ou outros exames devam ser feitos para esclarecer a causa.

Corrimento

1) Eu tenho corrimento há muito tempo. Isso significa que eu tenho uma infecção vaginal?
Nos primeiros anos depois da primeira menstruação ou mesmo antes de menstruar, quando o organismo está sendo preparado pelos hormônios recém criados, é normal para as meninas observarem uma secreção vaginal mais abundante que mancha as roupas e preocupa. Na verdade essa secreção apenas denota um funcionamento dos ovários, desde que não haja odor fétido, coceira e ardência. Qualquer um desses sintomas poderá significar infecção e um tratamento talvez seja necessário.

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE MENSTRUAÇÃO

Postado por : Jhenniffer Uliana
Menstruação

1) Qual a idade normal para menstruar pela primeira vez?
A maioria da meninas menstruam pela primeira vez em torno dos 11 anos, mas algumas já menstruam com 9 e outras somente com 16. Entre 9 e 16 é perfeitamente aceitável. Para você saber quando sua filha irá menstruar pela primeira vez, adicione 12 a 18 meses à data quando suas mamas começaram a crescer.

2) Minha menstruação é muito irregular. O que devo fazer?
A menstruação irregular não é problema. No entanto, caso você tenha iniciado um relacionamento, não se exponha ao método natural. Com ciclos irregulares ele é muito perigoso.

3) Como ficará a minha menstruação logo após eu parar de tomar pílulas para engravidar?

O ciclo menstrual da mulher que usou anticoncepcionais orais retorna ao seu normal em um a dois ciclos. Poderá ocorrer uma demora mais prolongada, ou mesmo amenorreia (falta de menstruação por mais de três meses), em raros casos

4) Uma dieta pode causar o desaparecimento da menstruação?
Sim. Pode. Principalmente se você estiver fazendo um controle dietético por sua conta e deixando de comer certas alimentos essenciais como as proteínas.

5) O que é Tensão Pré-Menstrual?
Tensão Pré-Menstrual é uma síndrome, ou seja, um conjunto de vários sintomas agrupados e nem sempre todos presentes. A síndrome de tensão pré-menstrual se caracteriza por molestar a mulher na metade em diante da década dos 30, num período, inicialmente curto de 2 a 3 dias antes da menstruação até quase todo o ciclo menstrual.

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES SOBRE PÍLULAS

Postado por : Jhenniffer Uliana
Pílulas

1) Tenho muitas espinhas e isso atrapalha muito o meu relacionamento na escola. Fico magoada comigo mesma cada mês que passa, pois tudo se repete. É verdade que as pílulas contra a gravidez podem me ajudar?
Sem dúvida algumas pílulas poderão ajudar à adolescente. Mesmo que ela não tenha necessidade do controle da fertilidade, poderá usá-la para tratar a pele. Existem um ou dois tipos mais indicados para isso. Seu médico de confiança saberá qual.

2) Ainda não tomo anticoncepcionais, pois tenho medo de iniciar a atividade sexual. Ao mesmo tempo tenho receio em, de repente, acontecer algo e eu não estar preparada. Que devo fazer?
Você necessita reconhecer o momento certo para iniciar o uso de pílulas anticoncepcionais para melhor proteção de uma gravidez indesejada. No entanto, se acontecer, você poderá recorrer à anticoncepção emergencial. São duas pílulas que contêm os mesmos hormônios, mas em doses mais elevadas e que deverão ser ingeridas, no máximo, até 48 horas após a relação.

3) Eu gostaria de iniciar o uso de pílulas, mas um exame ginecológico me assusta! Como fazer?
O primeiro exame poderá ser embaraçoso, mas logo você irá adquirir confiança no(a) profissional que o(a) examinar e se habituará a ele(a). No entanto, a escolha de um(a) médico(a) que realmente mereça a sua visita é um ponto dos mais importantes e difíceis. Você deverá tentar um e, ao iniciar a sua consulta, fale sobre os seus temores e ele(a) saberá como proceder.

4) Meu relacionamento com meu namorado está ficando cada dia mais sério e tenho medo... Como posso iniciar a tomar pílulas?
Em primeiro lugar você deverá consultar um(a) médico(a) de sua confiança, pois ele(a) a irá orientar sobre qual o melhor método, nas circunstâncias atuais, para você. Poderá ser outro método mais adequado para a seu organismo. O mais freqüentemente usado na adolescência é a pílula.

5) Se eu iniciar a tomar os anticoncepcionais orais vou engordar?
Nos dias atuais, a quantidade de hormônio contida em cada pílula anticoncepcional é muito pequena e um dos efeitos colaterais dela é realmente o aumento de peso causado pela disposição maior em se alimentar. Algumas pílulas, para você, vão causar mais peso outras nenhum aumento de peso. Estará sendo lançada no mercado um novo anticoncepcional oral que deverá revolucionar os métodos já existentes de anticoncepcionais visto que, devido seu novo progestágeno, não haverá ganho de peso !

6) Eu gostaria de iniciar o uso de pílulas, mas com 17 anos dizem que as pílulas vão me fazer mal.
Não existe nenhum trabalho de cunho científico que comprove que as pílulas anticoncepcionais iniciadas aos 16 ou 17 anos possam causar danos ao organismo da adolescente. Pelo contrário, uma gestação indesejada nessa idade poderá causar maiores danos.

7) Meu namorado e eu passamos a viver juntos, mas não queremos ter filhos nos próximos 8 anos. Tomar pílulas por um período tão longo é seguro?
Não há razão para preocupações. Mantenha o seu exame periódico anual com o seu médico de confiança relatando a ele qualquer modificação ou alteração do seu organismo que lhe chame a atenção.

8) Se eu estiver com diarreia e vômitos, isso poderá interferir na eficácia da pílula?
Poderá. Dependerá de quão forte são os seus vômitos e diarreia, pois é possível que a pílula não seja absorvida. Para ter certeza de que isso não redundará numa gravidez, use até o final do ciclo, um outro método como o condão (camisinha).

9) Minhas menstruações são muito fortes e dolorosas. As pílulas poderiam me ajudar nesses sintomas.
Os anticoncepcionais orais, geralmente, fazem o seu fluxo menstrual mais fraco e indolor. Você deverá perguntar ao seu médico se, no seu caso, elas poderão ser usadas para melhorarem os sintomas.

10) Tomei numa ocasião em que tive sexo desprotegido, duas pílulas do dia seguinte recomendadas pelo meu médico. Posso repetir mais vezes?
A repetição da anticoncepção emergencial com as duas pílulas tomadas no dia seguinte não possui risco conhecido quando repetidas. No entanto, não é aconselhável usar essa forma como método de rotina para evitar a gravidez.

11) Tomo pílulas há muitos anos. Vai ser difícil ficar grávida?
Ao suspender os anticoncepcionais orais o seu organismo retorna as suas funções normais em 30 a 60 dias. Muito raramente persiste a anovulação (falta de desprendimento do óvulo no ovário) o que vai produzir um período sem menstruação. Se você possuía, anteriormente, um problema de fertilidade juntamente com seu companheiro, esse problema ainda estará lá!

12) A pílula aumenta o risco de câncer de mama?
Não existe nenhum estudo que tenha demonstrado essa relação. No entanto, você deverá fazer seu auto-exame das mamas uma vez por mês para melhor controle da sua saúde.

13) Devo esperar alguns meses após terminar o uso de pílulas para, então, engravidar?
Não há necessidade disso. Você poderá engravidar já na primeira ovulação.

14) Quanto tempo devo esperar para iniciar a tomar pílulas?
O uso da pílula só poderá ser iniciado após o desmame ou quando o bebê tiver de 8 a 12 meses. Se você iniciar o uso de anticoncepcionais orais antes disso, o prejuízo ao neném poderá ser grande, pois o seu leite poderá "secar".

15) Estou amamentando. Existe uma pílula especial para quem amamenta?
Sim, existe. É a mini-pílula que contém somente um hormônio e não interfere na lactação. No entanto, ela não é tão segura como as outras. Logo que o bebê passa a tomar mamadeira ou após 8 ou 12 meses, use as pílulas convencionais.

16) A pílula é perigosa para mulheres acima de 35 anos?
Não. Se no entanto você tiver efeitos colaterais mais fortes ou for uma fumante, ou for diabética ou for hipertensa ou tiver outra enfermidade grave, a pílula não deverá ser usada.

17) Sou fumante desde os 18 anos e tenho agora 38. Tomo pílulas desde os 20. Li a respeito das fumantes que poderiam abrandar os seus riscos com pílulas tomando a mini pílula que contém só progesterona. É verdade?
Sim, mas observe o seguinte: a minipílula não possuía a mesma eficácia da pílula convencional e é muito mais fácil parar de fumar...

18) Sempre tive menstruações muito prolongadas e fortes. A pílula poderia ajudar?
Sem dúvida, mas caso a menstruação não tenha para você, um significado tão conservador, um inceptivo poderá ser considerado.

19) Tomei a pílula do dia seguinte e não senti nenhum efeito colateral. Isso é normal ou ela não fez efeito nenhum?
A pílula do dia seguinte não causa nenhum sintoma. O que ela faz e tornar o ambiente uterino inóspito para o óvulo que porventura for fecundado, impedindo a nidação e, como conseqüência, a gestação.

BOLSA ROTA

Postado por : Jhenniffer Uliana
Uma polêmica sobre a conduta na ruptura prematura da bolsa das águas Como proceder quando a bolsa se rompe antes do trabalho de parto ter iniciado?

A grande dúvida surge, pois, quando há perda de líquido, tanto a mãe quanto o feto ficam expostos a alguns riscos. Entre eles destaco o risco de infecção fetal e materna. Quanto tempo o organismo leva para o desenvolvimento de uma infecção após a ruptura é algo variável entre as gestantes e também depende de alguns fatores externos, como a quantidade de toques realizados durante o trabalho de parto. Por isso, os estudos científicos mostram resultados controversos.


Dependendo da idade gestacional em que a ruptura aconteça a conduta pode ser bastante distinta.

Antes de 24 ou 26 semanas de gestação a conduta é praticamente unânime entre os estudiosos, pois o feto é inviável para a vida extra uterina e portanto costuma-se interromper a gestação.

Entre 24 e 34 semanas costuma-se ter conduta expectante com monitorização para detectar sinais precoces de infecção ou sofrimento fetal e se houver algum sinal negativo a gestação deverá ser interrompida.

Após 34 semanas de gestação a conduta é a resolução da gestação. Existem, porém, alguns questionamentos à respeito da conduta a ser tomada e temos diferentes respostas nos trabalhos científicos:


• Quanto tempo pode-se esperar entre a ruptura da bolsa e o nascimento do bebê?

• Devemos induzir o parto logo que tiver o diagnóstico de bolsa rota?

• Se formos induzir, qual é a melhor droga a ser utilizada?

• Devemos usar antibióticos profiláticos e qual seria o melhor momento de iniciar seu uso?


Estas perguntas deixam dúvidas para o obstetra mais cuidadoso que não deseja realizar intempestivamente uma cesariana. Em alguns pontos existem unanimidades nos trabalhos científicos. Grande parte dos autores observou que a maioria das gestantes, a termo (37 semanas ou mais de gestação) entram em trabalho de parto espontaneamente nas primeiras 8 horas após a ruptura da bolsa. Eles observaram que a incidência de infecção no neonato só aumenta após 24 horas de bolsa rota. Com isso estaremos seguras dentro das primeiras 24 horas aguardando o nascimento do bebê.

O melhor momento para iniciar a indução de parto é outra controvérsia. Como não existe unanimidade, cada obstetra adota a conduta com a qual tiver melhor experiência. Alguns profissionais, se a bolsa romper à noite, costumam esperar até a manhã seguinte para iniciar uma indução com drogas, isso se a gestante não tiver entrado em trabalho de parto espontaneamente. Se a bolsa se rompe pela manhã, podem esperar umas 6 horas para iniciar a indução com drogas. Se a gestante não tiver contrações até o final do dia, é possível retirar a indução, aguardar mais uma noite, e, se a paciente durante esta noite não evoluir para trabalho de parto, na manhã seguinte avaliar a gestante e bebê e se o colo permanecer desfavorável talvez realizar uma cesariana. Um recurso interessante nesses casos é a estimulação com acupuntura que pode ser realizada em todas as gestantes assim que é diagnosticada uma bolsa rota. No geral, a maioria das gestantes entra em trabalho de parto espontaneamente nas primeiras 6 a 8 horas. Na verdade, o mais importante é não ter regra fixa e avaliar cada caso para saber qual é a melhor conduta quando se tem uma bolsa rota.

O uso de antibióticos profiláticos parece não ter efeito em diminuir a incidência de infecção no bebê. Quando a gestante tem um diagnóstico prévio da presença de estreptococos do grupo B na secreção vaginal, o uso do antibiótico parece diminuir a infecção do neonato.

A gestante com bolsa rota se possível não deve ser tocada, pois o toque eleva acentuadamente a incidência de infecção no neonato.

Para esperar ou induzir um trabalho de parto é sempre necessário avaliar o bem estar fetal na nova situação. Esta avaliação pode ser feita simplesmente escutando os batimentos cardíacos fetais através do sonar ou de um registro gráfico como a cardiotocografia.

Como saber que a bolsa rompeu?

Quando há eliminação de grande quantidade de água via vaginal que molha a roupa e escorre pelas pernas com odor semelhante a água sanitária ou ao ejaculo do homem. Este tipo de ruptura não gera dúvidas para ninguém, porém, quando a ruptura é parcial o líquido pode sair em pequena quantidade podendo ser confundido com um corrimento ou urina. Quando houver uma eliminação deste tipo é importante que a gestante cheire a secreção para tentar diferenciá-la e coloque outra roupa íntima limpa, seca e clara para poder observar se a eliminação irá se repetir, se isto acontecer deverá analisar todas as características da secreção. Sempre que houver dúvida o profissional deve ser avisado para elucidar o caso através de exames da secreção vaginal e da própria aparência da vagina.

PERCA DE LÍQUIDO AMNIÓTICO

Postado por : Jhenniffer Uliana
A perda do líquido amniótico é chamada de Oligoidrâmnio e não é tão rara. Cerca de 8% das grávidas têm oligoidrâmnio em algum ponto da gestação.

O líquido amniótico tem um papel muito importante na gestação. Além de envolver o bebê, ele possui funções muito importantes como amortecer choques e movimentos bruscos; não deixar o cordão umbilical ser comprimido, o que poderia acarretar diversos problemas para o bebê; manter a temperatura dentro do útero; ajudar na formação do sistema digestivo e respiratório, entre outras.

A perda do líquido amniótico é chamada de Oligoidrâmnio e não é tão rara. Cerca de 8% das grávidas têm oligoidrâmnio em algum ponto da gestação, normalmente no terceiro trimestre.

No decorrer da gravidez, a quantidade de líquido amniótico aumenta. Por volta de 34 a 36 semanas, é provável que uma gestante tenha de 800ml a 1 litro de líquido dentro do útero. A partir daí, a quantidade de líquido começa a diminuir aos poucos, até o bebê nascer.

Existem duas maiores preocupações em relação a perda de líquido amniótico antes do terceiro trimestre da gestação. Como o líquido ajuda no desenvolvimento dos pulmões do bebê, a perda dele pode prejudicar o crescimento desses órgãos. Outra grande preocupação é o parto prematuro.

A quantidade de líquido que existe no útero pode ser medida por meio de ultrassonografia. Em alguns casos, a partir do terceiro trimestre, se o líquido estiver muito baixo, o médico pode decidir que o bebê se desenvolverá melhor fora do útero do que dentro dele e antecipar o parto.

Diversos fatores podem ajudar a mamãe a perceber que está perdendo líquido amniótico. As gestantes devem ficar atentas aos sinais, principalmente as hipertensas, diabéticas ou que tenham lúpus. Se começar a perder líquido pela vagina ou se o bebê não se mexe com a frequência de antes, é bom procurar um especialista.

Quando o oligoidrâmnio ocorre no terceiro trimestre da gestação não exige nenhuma providência e o médico só ficará acompanhando a gravidez mais de perto. As causas da redução de líquido nem sempre são conhecidas. A diminuição do volume da água é mais observada em épocas de calor, o que pode estar relacionado à desidratação da mãe. Por isso, é importante tomar bastante líquido, fazer repouso e talvez o seu médico recomende banhos submersos.

Assim que identificada a causa, o oligoidrâmnio tem tratamento específico, ele pode ocorrer por ruptura parcial de bolsa, problemas na placenta, anomalias do bebê, síndrome da transfusão feto-fetal e medicamentos que a mamãe ingere.

AMAMENTAÇÃO PODE AUMENTAR O QI DO BEBÊ, DIZ ESTUDO

Postado por : Jhenniffer Uliana
 As mães podem adicionar mais um item à lista de benefícios que a amamentação proporciona: aumentar o QI das crianças. É o que sugere uma nova pesquisa, liderada por um cientista do Hospital Infantil de Boston (EUA) e publicada online dia 29 de julho no JAMA Pediatrics.

Os estudiosos acompanharam mais de 1.300 crianças com três anos de idade. As mães foram questionadas sobre a amamentação, e se pararam quando o bebê completou seis meses ou 12 meses. Os bebês completaram os testes de inteligência padrão com três anos e depois com sete anos. Segundo os pesquisadores, crianças que foram amamentadas pontuaram mais nesses testes, mesmo levando em conta outros fatores que podem afetar o QI de uma criança, tais como a inteligência da mãe ou ingestão de ômega 3.

Os bebês que eram amamentados durante o primeiro ano de vida ganharam uma média de quatro pontos no seu QI, em comparação com os bebês que não foram amamentados. Essas crianças eram mais capazes de compreender o que os outros estavam dizendo-lhes (linguagem receptiva) aos três anos e tiveram inteligência verbal e não-verbal superior aos sete anos.

De acordo com os autores, os resultados suportam as recomendações nacionais e internacionais para promover o aleitamento materno exclusivo até a idade de seis meses e continuação do aleitamento materno por pelo menos um ano. Eles afirmam que as essas descobertas podem motivar as mulheres a amamentar por períodos mais longos de tempo.

10 benefícios da amamentação para o seu bebê
Desde a confirmação da gravidez, nenhum episódio é capaz de chamar mais atenção do que a saúde do bebê prestes a chegar. Os cuidados necessários para o desenvolvimento da criança despertam o interesse como nenhum outro assunto e a mãe faz de tudo para garantir que o bebê passe os dias longe de infecções e alergias. "Felizmente, a melhor proteção para o bebê está, justamente, nas mãos da mãe: crianças que recebem leite materno como alimento exclusivo nos primeiros seis meses de vida são mais resistentes a infecções, alergias, doenças e até mesmo complicações mais simples, como a cólica e o estresse", afirma o pediatra Sylvio Renan Monteiro de Barros, da Sociedade Brasileira de Pediatria.

A amamentação, de tão importante, tem até semana especial no calendário: o Ministério da Saúde e a Organização Mundial de Saúde (OMS) promovem, em agosto, a Semana Mundial da Amamentação, lembrando o quanto o leite materno pode fazer diferença na vida da criança, estimulando as mães a praticarem esse gesto de amor e esclarecendo as principais dúvidas sobre o tema. Se você quer saber tudo o que seu bebê ganha a cada mamada, veja os benefícios que os especialistas destacam.

Fonte: Minha Vida

APELO DOS ANJINHOS

Mamãe sabe que às vezes é difícil e complicado ter já a responsabilidade que não queria, mas de certo essa responsabilidade é tão gostosa é um prazer da vida, é o pensar de que tudo isso valeu a pena, a cada minuto de seu amado é a gloria divina de deus, é uma benção de que ela é a vitória de um começo. A cada movimento em teu ventre, é o dizer-te de que esta bem mamãe e quer vim ao mundo para ti amar, e em teus braços me acolher, juntinho a você me aquecer. É o dizer de que tudo que você lá no começo pensou, só foi apenas um susto, e que daqui nove meses estarei contigo pra ti alegrar ti fazer companhia. Tenho certeza que quando me ver mamãe vai me amar, e pedirá perdão ao meu papai do céu por pensar em me abandonar.


Copyright © 2014 Tudo Sobre Gravidez - Template Desenvolvido por Johanes Djogan - Reeditado por Edson Roberto